My Image

Walter Almeida

Coach, palestrante

NORMAL OU COMUM? Como distinguir o que é comum do que é normal?

07/08/2017 10:28:20

Walter

My Image

Tenho encontrado diversos pais atônitos com a relação que vivem com seus filhos, recentemente pude ver o desespero no olhar de uma mãe de filhas com oito e treze  anos, seu olhar trazia dor, tristeza e incertezas à tona.

 Por outro lado encontro pais que resolveram adotar o discurso do normal, é tão comum não ser abraçado pelos filhos, não ser beijado ou não ouvir: “Papai eu te amo” que acham isso normal. Opa! Normal ou comum?

É tão comum que muitos acham “normal”.  “Então em uma atitude de autoproteção pensam: “Jovens são assim mesmo”, “Hoje em dia cada um vive no seu mundo”, logo outros pensamentos surgem:” Estamos casados a tantos anos é normal a distância”.

Alguns seguem apenas sobrevivendo e tem sido muito comum encontrar adeptos do “deixa a vida me levar, vida leva eu...”, mas será normal pensar e agir dessa forma?

Aquilo que alguém decide fazer parecer normal em sua vida é problema dela ou será nosso também? Afinal se for comum podemos involuntariamente  achar normal. Existe esse risco?

Vejamos:

-FALTA DE HONESTIDADE: Comum ou normal?

-NÃO GOSTAR DO SEU TRABALHO: Comum ou normal?

-TRAIR: Comum ou normal?

-TER CONTAS ATRAZADAS? Comum ou normal

-FALAR DE DEUS, MAS NÃO SER NEM UM POUQUINHO PARECIDO COM O CRISTO: Comum ou normal?

De tão comum algumas coisas parecem normais e é aí que reside o perigo: Estamos nos tornando insensíveis e endurecidos. Esquecemos coisas simples como: Abraçar, olhar no olho, ouvir, elogiar, perdoar. Cobrimos a essência divina com camadas, isso mesmo, o ser humano está criando uma “casca dura” e somos blindados para sobreviver  em um mundo distorcido e confuso onde o ter é mais importante que o ser.

Prefiro ser um sonhador e viver sem cascas. Como diz Geraldo Rufino: ” Quando conheço alguém procuro descobrir se ele tem sete anos de idade, se tiver serão duas crianças de sete anos conversando”. Mesmo não sendo comum prefiro ser exceção, prefiro tomar o  sentido oposto da manada, sempre buscando o extraordinário.

Mire as pessoas excepcionais, fuja do lugar comum. Mire os que estão fazendo diferente, nos que tem relacionamentos cheios de amor, nos que estão crescendo, evoluindo. Olhe para dentro de você e acredite em seu potencial, dê o seu melhor, ame, arrisque-se, seja você a diferença que deseja ver no mundo. Normal é ser parecido com Cristo e ser semelhante a Deus.

Afinal somos originalmente a imagem e semelhança desta família.

Um grande e apertado abraço.